terça-feira, 8 de dezembro de 2009

"Ah, ótimo!"

twitter.com/athosronaldo

Nós podemos usar a expressão “Ah, ótimo!” quando encerramos a leitura de um livro do Veríssimo. Diante de uma escultura de Rodin ou quando assistimos um golaço do Nilmar. “Ah, ótimo!” Afirmamos após um espetáculo teatral ou num show de rock.
“Ah, ótimo!” é a frase do ano.
Uma frase otimista que, nesse caso, exprime todo o nosso desencanto com a política e foi pronunciada pelo governador do Distrito Federal José Roberto Arruda do DEM, quando embolsava uma dinheirama. Imagens do descaso com o dinheiro público, com a liturgia dos cargos e uma afronta a religiosidade do povo. Reais distribuídos a rodo. Cenas explícitas de atitudes e diálogos nada republicanos.
Se Arruda fosse governador no Japão, teria um único destino: o haraquiri. Como é no Brasil, convoca uma coletiva, se diz injustiçado, fica no cargo e confia na justiça.
Se num passado recente os dólares estavam na cueca, no mensalão do DEM os limites da cueca foram insuficientes. Sem nenhum pudor o presidente da Câmara Legislativa, Leonardo Prudente, usou os bolsos do casaco, das calças e as meias. Transformou-se em um cardume de garoupas. Na coletiva foi prudente, era uma questão de segurança, pois não usa pasta. A deputada Eurides Brito saiu com sua bolsa abarrotada de notas. A bolsa foi transformada em um cativeiro de onças-pintadas. Vale lembrar que a garoupa está estampada na nota de cem reais e a onça-pintada na de cinquenta.
O presidente da República falou que as imagens não falam por si. A OAB emitiu uma nota afirmando que havia indícios. Mas a população assistiu, pasmada, as turbinas do propinoduto em pleno funcionamento. Para o cidadão comum o afastamento do governador deveria ser sumário e o processo de impeachment protocolado de imediato. Mas tem os trâmites legais... aguardemos.
O detalhe nisso tudo é que os “atores” desse melodrama de quinta categoria, confiam cegamente na justiça. É justamente essa a questão, os larápios – nas mais variadas esferas do poder – estatelados nas poltronas dos refrigerados gabinetes, confiam na justiça. Está mais do que na hora de a justiça tornar-se inconfiável para essa gente. Senão, daqui a alguns dias teremos mais um capítulo, em cadeia nacional, dessa infindável e repugnante novela.
A propósito. “Ah, ótimo!” Podemos dizer após saborearmos um panetone de chocolate.

Um comentário:

Guina Medici disse...

athos meu caro, como vais?
concordo com teu artigo.
mas o mensalão que o pt organizou para ganhar votos também existiu e ainda nem foi julgado. o glorioso ministro joaquim barbosa deve ter mais coisa para fazer antes de colocar o zé dirceu e sua turma na frente de um tribunal.
você não acha que don lula também não deveria ter cometido haraquiri em 2005?
para mim não há a menor diferença entre o mensalão do pt, do psdb, do dem, todos são formas canalhas de roubar dinheiro.
só que no brasil alguns crimes são mais crimes que os outros.
abraços
aguinaldo