sábado, 17 de março de 2012

O cenário perfeito para "The Wall"


Athos Ronaldo Miralha da Cunha
Dia 25 de março de 2012 Roger Waters fará um show em Porto Alegre. O ex-baixista do Pink Floyd retorna em grande estilo para homenagear a lendária banda. E quando falamos em Pink Floyd vem em nossa mente “The Wall”.
Alguém imaginou outro local em Porto Alegre que não seja o Gigante da Beira-Rio para ser o palco desse estupendo evento? Evidentemente que a interpretação de “The Wall” fará parte do espetáculo. E será uma bela homenagem as paredes formadas e construídas no internacional. As paredes que jamais ruíram para uma segunda divisão. Aquelas barreiras intransponíveis que Alfeu e Nena – o parada 18 – formaram com o Rolo Compressor. Posteriormente, Bibiano Pontes, Figueroa, Marinho e Caçapava com outros artistas da bola transformaram o Internacional no time da década de 70. E mais recentemente outras paredes, ou paradas, também foram o final de muitas investidas ao gol do Inter, Gamarra, Lucio, Indio, Bolívar e Guinazu. Verdadeiros guardiões da área colorada que consagraram o Campeão de Tudo.
Se formos nominar as paredes que jogaram no Internacional não haveria espaço nessa crônica. Não somos apenas “outro tijolo na parede”, somos vários, muitos tijolos na parede. Então, Beira-Rio... Roger Waters... The Wall... cenário mais que perfeito para um espetáculo dessa magnitude.
Li em algum lugar, não lembro onde, que “Another Brick in the Wall” como trilha sonora da queda do muro de Berlim, também seria o cenário perfeito para o Beira-Rio. Uma pessoa muito inteligente escreveu, pois eu concordo plenamente. O Beira-Rio foi construído, tijolo a tijolo, parede a parede, por fanáticos e humildes torcedores. Sendo assim, não deixa de ser uma homenagem a todos aqueles que anonimamente construíram um sonho e grandes conquistas. E que ainda hoje tremulam suas bandeiras nos mais longínquos recantos da Terra. E quando confirmamos o Gigante da Beira-Rio como cenário perfeito para os jogos da copa de 2014, também estamos recepcionando um dos mais renomados artistas do planeta. E é com essas performances mundiais que nós, colorados, estamos acostumados. Aliás, mal-acostumados.
No entanto, se Roger Waters fosse homenagear a queda do muro de Berlim para a segunda divisão – uma metáfora plausível para um muro em ruínas e em queda – o cenário perfeito continuaria sendo Porto Alegre. O bairro Azenha, nas proximidades dos cemitérios São Miguel e Almas e Ecumênico João XXIII, lugar onde os imortais caem na realidade da finitude da vida.
Enfim, imagino que pior que ter um filho colorado é ter um pai tricolor. Coisa que eu só imagino, pois meus filhos são colorados e meu velho era maragato fanático pela cor vermelha.

2 comentários:

Andressa C. disse...

Existe um muro entre mim e o dinheiro para ir ao show, infelizmente.

Athos Ronaldo Miralha da Cunha disse...

Obrigado pela leitura... também tenho esse muro. rsrs